sábado, 12 de setembro de 2009

Perspectiva

Oi, gente! Aqui é o Mu outra vez. Bom, temos algumas novidades. A professora Tharyn, que está substituindo a professora Alessandra neste último trimestre, é formada em Artes cênicas e dá aulas de teatro na escola. Nas aulas regulares, estamos estudando em Artes "planos e perspectiva".

Estamos aprendendo em Artes algumas noções básicas de desenho. São elas: perspectiva, planos e profundidade.

Introdução:
O movimento renascentista (séculos XIV e XV), tinha objetivo de contrariar as ideias da Igreja, e, à partir da Arte atribuiu realidade às pinturas, a partir de noções de perspectiva! Na época, os retratos tinham muita importância, pois eram a maneira de representar o cotidiano do povo. Com a invenção da câmera escura e da máquina fotográfica, representar a realidade tão a fundo tornou-se desnecessário, assim, retratam-se hoje obras de Arte abstrata.

Planos e perspectiva:

A figura ao lado é uma pintura de Hogarth pintada em pleno século XIX, chamada Falsa perspectiva. Analise bem a figura. Perceba que os planos se misturam. Isto é, há uma falsa noção de perspectiva.
Mas se a humanidade já tinha noções básicas de perspectiva há mais de cinco séculos, qual o objetivo de Hogarth com tais "absurdos"?

Esta prática leva o nome de "rebatimento" e contraria as ideias de perspectiva. O objetivo é exatamente intrigar quem vê a obra. Poderia-se dizer que é como os bebês desenham. Eles fazem tudo em um mesmo plano, isto é, não sabem como desenhar diferentes planos.



Profundidade:

Aprendemos ainda a traçar as linhas do horizonte e os pontos de fuga. Craindo assim uma noção de profundidade!

Observe o processo:
  • As linhas diagonais de um desenho quando esticadas, se encontram em algum ponto: o ponto de fuga (PF). - OBS: O mesmo não ocorre com as linhas verticais.
  • A linha do horizonte demonstra o ponto de vista do observador.
http://julianapellegrini.files.wordpress.com/2008/09/perspectiva2.jpg
Na figura acima observamos alguns exemplos de polígonos (bidimensionais) que, a partir dos pontos de fuga formam poliedros (tridimensional). A linha do horizonte é, neste caso, a linha horizontal por onde passa o ponto de fuga.

Nosso portifólio:

Aqui nos postaremos as nossas produções artísticas relativas a:

A mesa e os pontos de fuga











A professora Tharyn colocou uma mesa no centro da sala e em sua volta formou um círculo com as carteiras, garantindo assim que cada um tivesse um ponto de vista diferente da mesa. Na imagem a cima, eu usei a linha do horizonte bem alta, representando meu ponto de vista levantado. Tracei dois pontos de fuga!


Tridiomensionalidade e perspectiva

No desenho ao lado, há algumas formas geométricas (quadrados, retângulos e triângulos) que, apartir de linhas verticais e horizontais e de linhas diagonais que seguem para um mesmo ponto de fuga (no caso, localizado sobre a linha do horizonte) criam um efeito tridimensional. Geometricamente, então, formam-se poliedros ao invés de polígonos!

Mosaico tridimensional

Nesta atividade, a proposta era a de criar um mosaico pintando algumas partes dele de modo a parecer existir tridimensionalidade. O legal é que o espectador não consegue identificar os planos, isto é, não pode detectar o que está mais atrás e o que está mais a frente. Trata-se então de uma ilusão de ótica! Experimente dizer onde começa a escada... :P


A imagem ao lado é de Daniel Vetter desenvolvendo o seu mosaico.









Perspectiva e imagens cotidianas

Nossa próxima missão era a de encontrar imagens em que houvesse linhas diagonais que seguissem pra o ponto de fuga e, logicamente, a linha do horizonte, fotografá-las e levá-las para a sala de aula. Nas imagens ao lado, a gente traz alguns casos. Vamos ver se você já sabe identificar os pontos de fuga e o posicionamento da linha do horizonte? Caso precise ampliar as imagens, clique nelas.

Resposta:
As linhas diagonais do corrimão seguem para cima da figura, onde se encontram formando o ponto de fuga. A linha do horizonte se localizava um pouco abaixo da metade da figura, pois fotografei-a sentado.








Resposta:
Imagem da cozinha: As linhas diagonais (do teto, dos balcões, da pia, da geladeira...)seguem para o centro, onde se encontram formando o ponto de fuga (PF). A linha do horizonte localiza-se mais ou menos no centro também, pois fotografei-a de pé.

"Portfólio": Murilo Martini - Clique para ampliá-las.



Jogo: Continue a imagem!

Esta atividade é uma espécie de brincadeira. Cada pessoa levou para a sala uma imagem em que identificava elementos da perspectiva. À partir dali tinha de colar a imagem em uma folha de papel branca e continuar a imagem... Veja os resultados:

Júlia Mysko desenhando (ou continuando) a sua igreja. ;) - Foto desfocada (clique para ampliar)!












Murilo Martini e a sua cozinha! - Foto desfocada (clique para ampliar)!







Vinícius e a sua piscina...









O corredor... (Ainda estamos tentando descobrir o autor)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário